As dicas a seguir para trabalhar com crianças autistas são úteis para pais, professores e terapeutas. Você pode adaptá-los para qualquer configuração para melhorar a comunicação, reduzir a probabilidade de regressão e acessos de raiva, e aumentar o potencial de aprendizagem.

Dicas básicas de aprendizagem

1- Pense e ensine visualmente. Muitas crianças autistas são pensadores visuais, e utilizar imagens e outros recursos visuais durante o ensino é útil. Recursos visuais são especialmente eficazes ao ensinar conceitos de número, termos direcionais, e reconhecimento de palavras.

2- Use uma área de interesse, a fixação, ou um talento especial para se conectar com a criança, melhorar as habilidades acadêmicas, e aumentar a atenção. Se a criança está interessada em erros, incorpore-os em seu plano de aula ou sessão de terapia. Por exemplo, você pode contar com os erros de brinquedo ou jogar um vídeo sobre bugs com legendas para melhorar o reconhecimento de palavras. Se a criança tem problemas sensoriais táteis, a busca de diferenças fora pode ser uma ferramenta motivacional para encorajar a aceitação de diferentes texturas, como grama, areia ou água.

3- Esteja ciente das distrações do ambiente, tais como luzes brilhantes e sons altos, que podem interferir com a aprendizagem ou o conforto. Você deve considerar as necessidades sensoriais durante o ensino e terapia. Algumas crianças aprendem melhor quando se deslocam ou usando as mãos, enquanto outras crianças pode exigir silêncio ou quase escuridão, a fim de se concentrar. Explore uma variedade de ambientes sensoriais com a criança para determinar qual é o mais propício para a aprendizagem.

4- Utilizar a tecnologia, como a televisão, CDs e computadores. Porque as crianças autistas normalmente respondem melhor aos estímulos visuais do que as instruções verbais ou escritas, programas como o Boardmaker de Mayer-Johnson pode ser benéfica. Algumas crianças acham mais fácil se comunicar escrevendo do que falando ou escrevendo. Incentivar o uso do computador e do teclado pode melhorar a comunicação.

5- Evite linguagem figurada, e faça as suas expectativas simples e clara. Utilize apenas termos concretos, e reforçe essas ideias com imagens ou modelagem. Evite instruções verbais longas, e quebre tarefas e instruções em etapas claramente definidas. Espere para que a criança complete o primeiro passo antes de passar para a próxima.

6- Esteja ciente das generalizações. Crianças com autismo muitas vezes associam uma habilidade ou comportamento com um local específico. Por exemplo, a criança pode usar um garfo e colher em casa, sem perceber que ele deve usar os mesmos utensílios quando longe de casa. O domínio de cada habilidade pode precisar tomar lugar em uma variedade de locais.

Dicas básicas de comportamento

1- Não reforce o comportamento indesejado. Se a criança pede suco, dê-lhe o suco, mesmo que ele realmente queira leite. Alerte a criança a responder de forma apropriada, e depois recompense respostas corretas. Ignore os comportamentos negativos e respostas incorretas, mas não puna a criança.

2- Atenha-se uma rotina. Crianças com distúrbios autistas precisam de rotina para se sentir seguro. Mesmo a menor interrupção no cronograma pode causar regressão ou birras. A agenda diária que inclui fotos ou outros recursos visuais é uma ferramenta útil para muitos pais e professores. Agende horários das refeições, horários de sono e terapia ao mesmo tempo todos os dias. Prepare a criança com antecedência, sempre que possível, para mudanças de horários ou viagens para fora de casa.

3- Use a repetição para modificar o comportamento, ensinar novas habilidades e melhorar a comunicação. As crianças autistas aprendem a reter informações com mais facilidade quando ela é dada várias vezes e em uma variedade de configurações. Ao contrário do que algumas pessoas acreditam, a repetição não vai encorajar a fala robótica ou o comportamento de uma criança autista.

4- Enfrente um problema de cada vez ao tentar modificar o comportamento. Se a criança tem vários problemas de comportamento, faça uma lista desses problemas e classifique-os em ordem de importância ou gravidade. Liste comportamentos que colocam a criança ou seus cuidadores em risco em primeiro lugar. Escolha um problema de cada vez, e então trabalhe com a criança até que o comportamento atinja um nível aceitável. Tentar mudar muitos comportamentos simultaneamente raramente é eficaz.

5- Use modelos para melhorar a socialização. Crianças autistas têm um ritmo diferente para ler e processar os sinais sociais, e necessitam de ajuda para saber como agir e reagir em situações sociais. Um dos meios mais eficazes de ensino de habilidades sociais é através de modelagem. Se o seu objetivo é ensinar a criança a apertar a mão após uma introdução social, você deve modelar esse comportamento apertando as mãos na frente dele quando encontrar novas pessoas. Mostre para a a criança o comportamento, como você faz isso, e então ele ou ela pode atentar para o que você está fazendo.

6- Seja paciente e compreensivo consigo mesmo e com a criança. Trabalhar com uma criança autista pode ser frustrante, e isso pode levar um tempo considerável antes de ver melhorias. Lembre-se de fazer pausas frequentes e não se sentir desanimado se suas tentativas são inicialmente sem sucesso.

fonte: http://goo.gl/UWs28J

(Via Autismo Atividades )